EducaçãoNovidades

IFAM contribui na qualificação do setor aquícola do Alto Solimões. Tabatinga é uma das cidades contempladas

Em parceria com o Ministério da Integração Nacional (MI), o Instituto Federal do Amazonas (IFAM) realiza o projeto de extensão ‘Formação de Recursos Humanos e Aquisição de Infraestrutura para Fortalecimento da Cadeia Produtiva da Pesca e Aquicultura na Mesorregião do Alto Solimões’. A ação contempla os municípios Amaturá, Atalaia do Norte, Benjamin Constant, Fonte Boa, Jutaí, Santo Antônio do Içá, São Paulo de Olivença, Tabatinga e Tonantins, localizados no sudoeste do Amazonas.

O projeto é realizado por meio do termo de cooperação técnica entre o Núcleo de Pesquisa Aplicada à Pesca e Aquicultura (NUPA/IFAM) e o MI e tem como objetivo qualificar, em nível técnico, pescadores e produtores rurais na área de pesca, aquicultura, beneficiamento e manutenção de máquinas de suporte da atividade.Projeto NUPA1

Comunidade recebendo os equipamentos

De acordo com o coordenador do NUPA/IFAM, professor Rogério Ferreira Nakaúth, espera-se beneficiar 2.200 pessoas da mesorregião do Alto Solimões. “Os cursos têm ênfase de acordo com a necessidade de cada município. Temos como parceiros locais na execução do projeto, o Idam (Instituto de Desenvolvimento Agropecuário do Estado do Amazonas) e as prefeituras de todas as nove cidades”, disse.

Para fortalecer a cadeia produtiva e o desenvolvimento da mesorregião do Alto Solimões, foram estabelecidas quatro metas que envolvem desde a construção de um laboratório e de uma fábrica para produção de ração até a entrega de equipamentos para a consolidação dos planos de manejo na região e realização de cursos de qualificação.

Sobre as metas

Laboratório do NUPA: espaço destinado à pesquisa aplicada à pesca e aquicultura será implantado no Campus Tabatinga (CTB/IFAM) e subsidiará o setor piscícola, contribuindo para o aumento do estoque pesqueiro por meio da produção e distribuição de alevinos de espécies nativas para cultivo em propriedades dos pequenos produtores rurais e comunidades indígenas.

Curso de qualificação: serão ofertados seis cursos, na modalidade Formação Inicial e Continuada (FIC). A profissionalização de produtores e pescadores contribuirá para a seguridade alimentar, redução da evasão de áreas rurais e melhoria da qualidade de vida com o incremento da produção, geração de renda e desenvolvimento da mesorregião.

Cursos: Noções práticas de manejo de recursos pesqueiros na Amazônia – manejo de lagos no ecossistema de várzea; Introdução a aquicultura para pequenos produtores rurais na mesorregião do Alto Solimões; Beneficiamento de Pescado; Manutenção de Motor Rabeta; Manutenção de Básica em Refrigeração Industrial com Amônia; Higiene e Manipulação de Pescado.

Equipamentos para manejo: segundo Nakaúth, as comunidades contempladas com o curso ‘Noções práticas de manejo de recursos pesqueiros na Amazônia – manejo de lagos no ecossistema de várzea’ receberão equipamentos para o desenvolvimento das unidades de manejo. “O que possibilita a diminuição do esforço de pesca sobre os estoques naturais, a melhoria na qualidade de vida dos ribeirinhos e contribui para do desenvolvimento sustentável da mesorregião”, explicou.

Fábrica de ração: a fábrica será instalada em Benjamin Constant, onde serão desenvolvidas pesquisas de rações a partir de ingredientes alternativos que atendam às exigências nutricionais de espécies de peixes adaptadas às condições climáticas da região Amazônica. “O desenvolvimento de rações eficientes com ingredientes alternativos, encontrados nas roças dos ribeirinhos, das roças indígenas e frutos da floresta nativa, viabilizaria a produção em larga escala na fábrica de ração”, destacou Nakaúth.

Atuação do NUPA/IFAM

Os NUPAs possuem sede em instituições da Rede Federal de Educação Profissional Científica e Tecnológica e têm como princípios a inclusão social, a sustentabilidade ambiental, a segurança e soberania alimentar, a equidade e ética e, o reconhecimento e fortalecimento das culturas das comunidades tradicionais.

No IFAM, o professor Rogério Ferreira Nakaúth, do Campus Tabatinga, é o coordenador sistêmico do NUPA Norte 1, presente nos campi Maués, Presidente Figueiredo, Parintins, Tabatinga, Lábrea, Manaus Zona Leste, como subcoordenações.

Dentre as ações realizadas pelo NUPA Norte 1 estão o manejo de quelônios e de pesca, aquicultura e, principalmente, a formação técnica, além de pesquisas realizadas junto às comunidades.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios